Não está registado? Registe-se para ficar a par das novidades, novos lançamentos e ter acesso à loja online.

Registe-se!

CAROLINE DELABIE

(Colorista)

fotoautor-delabie

Curiosa por natureza, Caroline Delabie começou, desde tenra idade, a “meter o nariz” na imensa colecção de BD dos seus pais. É aí que descobre Gaston Lagaffe, Obélix, o Capitão Haddock e Thorgal. Estes, ensinam-na a ler.

E em breve muitos outros moradores da biblioteca se juntam a eles, acompanhando Caroline durante a infância.

XAVIER DORISON

(Argumentista)

fotoautor-dorison

Xavier Dorison nasceu em 1972. Depois de três anos numa escola profissional, durante os quais lançou um Festival de BD, começou a escrever o argumento para o primeiro volume de Troisième Testament (“Terceiro Testamento”) série desenhada por Alex Alice e publicada pela Glénat. Foi um sucesso. Seguiu-se o trabalho com Mathieu Lauffray no primeiro volume da série Prophet (Les Humanoides Associés, 2000), e depois com Christophe Bec na série Sanctuaire (Les Humanoïdes associés, 2001). Xavier Dorison estabeleceu, em muito pouco tempo, um estatuto firme no mundo da banda desenhada franco-belga, um estatuto confirmado com "W.E.S.T." (Dargaud), que escreveu em parceria com Fabien Nury para um dos maiores nomes actuais do realismo, o desenhador Christian Rossi.

RALPH MEYER

(Desenhador)

fotoautor-meyer

Nascido em Paris em 1971, Ralph Meyer era muito novo quando começou a cultivar a sua aptidão e interesse pelo desenho e por histórias. Quando chegou a altura de decidir o que fazer da sua vida, pareceu-lhe natural escolher a banda desenhada. Enquanto insaciável jovem leitor, apreciava o humor de Gaston Lagaffe e as aventuras de Black e Mortimer, bem como os problemas existenciais dos super-heróis vestidos à maneira que povoam as edições mensais de Strange. A sua descoberta do trabalho de Giraud (também Moebius) durante a sua adolescência terá mais tarde uma grande influência no seu próprio trabalho.

OLIVIER VATINE

fotoautor-vatine

Nasceu em 1959 no Havre. Ilustrador de publicidade, criador de décors para animação, realizador de story-boards para cinema, inicia a sua carreira na banda desenhada em 1984 com Les Aventures de Fred e Bob, a que se segue Stan Pulsar, tendo alcançado o êxito em 1988, com Aquablue (1), uma das maiores séries francesas contemporâneas. Seguir-se-ão Star Wars, Adios Palomita, Angela e Tao Bang(2). Criou e codirigiu com Fred Blanchard, até 2007 e também na editora Delcourt, a marca de sucesso Série B, e monta depois a colecção Sketchbook sob a denominação de Comix Buro em parceria com o distribuidor de produtos derivados Attakus.

ALBERTO VARANDA 

fotoautor-varanda

Nasceu em 1965 em Portugal, tendo chegado a França em 1968.

Estuda escultura em madeira, e depois grafismo publicitário e ilustração em Paris. Terminados os seus estudos, colabora na Rantanplan Presse, e nas revistas Spirou e Tintin Reporter. Ministra depois cursos de desenho e conhece Croc, criador de RPG na Siroz. Da cumplicidade entre ambos nascerão jogos como INS/MV, Bloodlust, Scales e Bitume. Nessa altura, realiza também ilustrações para Casus Belli.

HERMANN (Bélgica, 1938)

fotoautor-hermann

Hermann nasce em 1938, na Bélgica. Sai de uma infância passada no meio da Guerra e da ocupação com uma forte vontade de aprender um ofício e uma confiança bastante relativa no Homem. Depois de uma estada no Canadá, regressa ao seu país natal e casa-se. Por um acaso da vida, é o seu cunhado, Philippe Vandooven, quem o lançará na banda desenhada ao encomendar-lhe uma história para a revista de escuteiros do qual é responsável. Depois da publicação desta Histoire en Able, Greg telefona ao jovem desenhador. O autor de Achille Talon fica imediatamente impressionado com o vento de renovação que Hermann aporta ao desenho realista, e com ele enceta Bernard Prince. Seguem-se as aventuras de Comanche, após as quais a notoriedade de Hermann é tal que pode serenamente pensar em lançar-se a solo. Daí resultará Jeremiah, para começar, e uma pletora de one-shots, ao longo dos quais nos faz partilhar o seu gosto pela aguarela, mas sobretudo uma certa misantropia. Hermann nunca o escondeu: desconfia do Homem e não gosta dele. E toda a sua obra tem por ambição mergulhar-nos na nossa própria perversidade. E é raro, e precioso, que tal fealdade case na perfeição com a beleza do desenho!

Hermann recebeu, em 2016, o Grande Prémio de Angoulême pelo conjunto da sua obra.

Pág. 1 de 2

50 anos da série Comanche

Ala dos Livros assinala os 50 anos da série Comanche com a publicação em 3 álbuns dos episódios assinados por Greg e
Hermann, incluindo as histórias curtas.

Ler mais...