Não está registado? Registe-se para ficar a par das novidades, novos lançamentos e ter acesso à loja online.

Registe-se!

Jorge Magalhães

Jorge Magalhães (1938-2018)

fotoautor-jorgemagalhaes

Jorge Arnaldo Sacadura Cabral de Magalhães nasceu no Porto em Março de 1938, tendo frequentado o curso de Letras, de que desistiu pouco antes da sua partida para Angola.

Mostrou desde cedo uma imaginação fértil e uma certa inclinação para a escrita, tendo no Liceu Gil Vicente “alinhavado umas letras que o meu colega de liceu, o Baptista Mendes, rabiscava”.

Mas foi entre 1959 e 1961 que iniciou transitoriamente a sua carreira na Banda Desenhada (uma paixão de infância), no “Mundo de Aventuras” e em ”O Mosquito” (2ª série), com contos ilustrados por José Baptista, José Garcês e José Ruy.

Viveu em Angola de 1961 a 1973. Entre Luanda, Novo Redondo e Porto Amboim, e a par da sua actividade de funcionário público (desempenhou funções no antigo Instituto de Café de Angola), foi locutor de rádio (colaborou entre 1963 e 1966 no Rádio Clube do Cuanza Sul - Novo Redondo), escreveu e participou em peças de Teatro, dinamizou o Clube de Cinema de Porto Amboim e colaborou em vários jornais e revistas, como “A Província de Angola”, “Trópico”,  “ABC” ou “O Comércio de Luanda” (onde coordenou o suplemento juvenil “Águia”). A partir de Angola, publicou ainda artigos no jornal “República”, e um conto (1970) no último número da revista “Pisca-Pisca”, para além de outras publicações.

Em Maio de 1974, concretiza um sonho de juventude ao ingressar nos quadros da Agência Portuguesa de Revistas, onde assumiu a coordenação do Mundo de Aventuras (2ª série), MA Especial e Selecções do MA, entre outros títulos de menor importância.

E foi no Mundo de Aventuras, em 1976, que se estreou como argumentista com a história “A Lenda de Gaia”, desenhada por Baptista Mendes, tendo posteriormente assinado numerosos argumentos para revistas e álbuns (individuais e colectivos), ilustrados por alguns dos principais desenhadores portugueses de então, como Augusto Trigo, Carlos Alberto,

Carlos Roque, Catherine Labey, Eugénio Silva, Fernando Bento, João Amaral, José Abrantes, José Carlos Fernandes, José Garcês, José Pires, José Ruy, Pedro Massano, Rui Lacas, Vítor Péon e outros. Colaborou também com jovens desenhadores que trocaram a BD por outras carreiras, como Irene Trigo, João Mendonça, José Projecto, Ricardo Cabrita e Zenetto. 

Foi fundador e membro directivo do Clube Português de Banda Desenhada, criado em 1976, e coordenou outras revistas de BD como “TV Júnior”, "Intrépido”, “Aventureiro”, “Heróis da Marvel”, “O Mosquito (5ª série)”, “Almanaque O Mosquito”, “Heróis Inesquecíveis”, etc. Também editou e dirigiu fanzines como os “Cadernos de Banda Desenhada” (com três séries) e a “Colecção Audácia”. Traduziu inúmeras histórias de BD, escreveu artigos de investigação e análise crítica para vários livros, revistas, catálogos, fanzines e suplementos de jornais, e dirigiu colecções da Editorial Futura como a “Antologia da BD Portuguesa”, “Antologia da BD Clássica”, “Colecção Aventura”, “Tarzan”, “Torpedo”, etc.

Juntamente com Augusto Trigo (um dos desenhadores com quem mais trabalhou nos anos 80 e com quem já tinha assinado “Luz do Oriente”, “Kumalo”, “Excalibur” ou “Wakantanka”), foi autor do álbum “A Moura Cassima” (Lendas de Portugal em BD, Edições Asa), distinguido em 1992 com o prémio de melhor álbum português, criado nesse mesmo ano pelo Festival Internacional da Amadora. Voltou a colaborar com Augusto Trigo e Catherine Labey no álbum colectivo “Lenda da Moura Salúquia”, publicado no Salão Moura BD em 2009.

Foi galardoado cinco vezes com o Troféu O Mosquito do Clube Português de Banda Desenhada para melhor argumentista, entre 1981 e 1993. Em 1999, recebeu o Troféu de Honra do Festival da  Amadora e em 2002 o Troféu Balanito Especial, atribuído pelo Salão Moura BD. A Câmara Municipal de Moura publicou estudos seus sobre vários temas: “Carros e Motos na BD” (2001); “BD e Ficção Científica – As Madrugadas do Futuro” (2005); “O Western na BD portuguesa” (2007); “Vítor Péon e o Western” (2010); “Franco Caprioli – No Centenário do Desenhador Poeta” (2012).

Criou em 2013 o seu primeiro blogue, O Gato Alfarrabista, coordenando, com assistência de Catherine Labey, cinco blogues que abordam temáticas desde a banda desenhada, o “western” e a aventura histórica à literatura popular e ao cinema. 

No campo editorial, coordenou ainda livros como “O Mosquito – 60º Aniversário” (1996) e “Vasco Granja – Uma Vida, 1000 Imagens” (2003) e colaborou em jornais como “Tintin”, “Jornal da BD” e “Jornal do Exército”, além de ter sido chefe de redacção da revista

 

Selecções BD” (2ª série), entre 1998 e 2001. Escreveu um livro com o título “O Príncipe Olaf”, publicado em 1975 na colecção juvenil Galo de Ouro (Portugal Press), e estava, à data da sua morte, a 1 de Dezembro de 2018,  a compilar várias dos seus trabalhos tendo em vista a sua edição e/ou reedição pela então recém-criada Ala dos Livros, da qual era mentor.

“Estórias da História”, era uma dessas obras.

Carrinho de compras

 x 

Carrinho vazio
David Rubin na ComicCon-PT

David Rubín esteve presente na COMIC-CON PT 2018 e brindou a Ala dos Livros com a sua presença no nosso espaço na Artists' Alley, onde participou numa animada sessão de autógrafos.

Ler mais...